20 de setembro de 2007

Rendido


Sinto o corpo inerte
sem vontade de prosseguir
o alento desvaneceu-se
a força perdeu-se
entre batalhas renhidas

Sinto o olhar pesado
de tanta noite mal dormida
de tanto pensar esgotante
de tanto lamento sentido
de tanta luta perdida

A minha alma está ferida
com marcas deveras profundas
com cicatrizes incuravéis
das causas imputáveis
à minha desconfiança sofrida

Puta de Vida...

15 comentários:

Sol da meia noite disse...

Poema de tristezas feito...

Amanhã, um Sol brilhará e tudo será diferente, melhor!

Deixo-te muitos raios do meu Sol!!!

sveronica disse...

E eu, alma errante, entregue
Não sei mais pra onde ir...

Fica sozinho lá não...vai me mer lá na minha outra casinha.

beijos

Menina do Rio

Navegante Do Amor disse...

Tem razão, quanto ao teor do poema que leu por lá, alguem mais leu e me pediu para o retirar, pois não o come entaria. Assim fiz, há horas para tudo e de tudo....nem dormi bem. São 5.30 da matina, acordei sobressaltado e resolvi excluir o " dito ", sem antes de por delicadeza lhe pedir desculpa por o ir retirar. Quanto a este seu espaço, gostei de passar por aqui. Virei mais vezes , até porque estamos perto, rsrsrs. Bom dia

Murmurios disse...

Como compreendo o teu tormento afogado na alma ferida...

Beijo

serenidade disse...

Realmente não sei que se passou, mas...
...é para esquecer, a net tem destas coiisas....

Dizia eu... que "puta de vida" é, quando nós teimamos em viver o passado no presente, as emoções que a ele estão ligadas, já dizia o amigo J.A.S. que parece que todos andamos atrás da felicidade, no entanto todos temos "Medo da Felicidade" porque não esquecer, perdoar e perdoar-se e viver este preciso segundo porque é aqui neste segundo que está a vida....o sorriso de uma criança, está aqui neste preciso segundo.

A música, magnifica, uma das últimas minhas preferidas do Jorge Palma.

Uma poesia muito forte e tocante, cheia de sentimento, tal como já nos vens habituando.

Serenos sorrisos

Only me disse...

Á que prosseguir nesta batalha da vida...
Deixar aclamar essa dor que tanto te faz sofrer...

Beijos grandes
e bom FDS

Thiago Forrest Gump disse...

O poema é magnífico e a foto é bela! :)



Abraços

Papoila disse...

Rendida fiquei eu com as tuas palavras e com a sequência de imagens que tão bem ilustra o ciclo da vida.

É tão inútil o tempo que perdemos em sentires passados e a ver a “Puta de Vida” a passar.

Beijinhos
BF

david santos disse...

Temos que considerar as lutas do passado, como concluídas. Enfrentar as do presente, com a força que nos for possível, sem nos esquecer de que devemos lutar, para enfrentarmos as futuras com novas experiências e de consciência tranquila.
Parabéns por este brilhante poema.
Até sempre.

MiguelGomes disse...

Tudo muda... Isso também.

Daniel Aladiah disse...

é, a vida é mesmo assim...
Um abraço
Daniel

rosa dourada/ondina azul disse...

Gostei deste poema,
mas temos de reagir
e pensar no que virá a seguir !


Boa semana,

luar perdido disse...

As vezes estamos assim. Baixar os braços, entregar as armas, render o corpo, o coração e a alma às brutalidades da vida. Ás vezes recusamo-nos a olhar em frente e o passado vem com todo o seu peso e negrume, às vezes dói tudo tanto que apetece só mesmo desaparecer...Amigo, sei onde estás, conheço o abismo bem demais!
Enquanto é tempo dá um passo atrás, o sol daqui a uma horas vai acordar para ti, deixa que te beije o rosto toque o corpo desalentado, mesmo sendo "puta de vida" é VIDA.
Beijo-te de manso nesta noite de silencios feita e prateados raios de luar.

Pedra da Lua disse...

Apesar de triste, lindissimo.

Isa disse...

quem disse que viver era fácil? acho que nunca ninguem o disse... aí está a grande verdade.. há que viver um dia de cada vez e sempre de cabeça erguida..:)

deixo-lhe um sorriso sentido *